Segunda, 17 de Maio de 2021 99 99999-9999
Especiais Justiça

Juiz da Comarca de Santa Luzia nega pedido de prisão de policiais sergipanos acusados de matar Geffesson Moura

Juiz da Comarca de Santa Luzia nega pedido de prisão de policiais sergipanos acusados de matar Geffesson Moura

21/04/2021 15h34
19.802
Por: Gilberto Martins Fonte: ClickPB
Juiz da Comarca de Santa Luzia nega pedido de prisão de policiais sergipanos acusados de matar Geffesson Moura

O inquérito policial, que investigava a morte do advogado e empresário paraibano, Geffesson de Moura Gomes,foi concluído. A Polícia Civil da Paraíba representou pela prisão preventiva dos policiais sergipanos Osvaldo Resende Neto, José Alonso de Santana e Gilvan Moraes de Oliveira (Sargento Gilvan), envolvidos no crime. Eles foram indiciados por cometerem os crimes de homicídio qualificado e fraude processual, pela adulteração da cena do crime.

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) ofereceu a denúncia à Justiça contra os policiais sergipanos. No entanto, mesmo acolhendo, o juiz da Comarca de Santa Luzia, Rossini Amorim Bastos, indeferiu o pedido de prisão preventiva formulado tanto pela Polícia Civil, quanto pelo Ministério Público. Os denunciados chegaram a ser presos, temporariamente, em Sergipe, mas estão em liberdade. No entanto, o promotor de Justiça José Carlos Patrício afirmou que o Ministério Público da Paraíba vai recorrer da decisão proferida.

O juiz, na decisão, questionou se havia necessidade de manter os policiais presos preventivamente, tendo em vista que pode demorar meses ou anos. “É de bom tom relembrar que responder ao processo em liberdade, uma vez ausentes os vetores da garantia da ordem pública, da conveniência da instrução processual e da consecução da aplicação da lei penal, isso não significa impunidade”, destacou, como o ClickPB apurou.

ENTENDA O CASO

No dia 16 de março deste ano, por volta das 22h, uma equipe da Polícia Civil de Sergipe entrou em território paraibano para realizar diligências quando abordou o advogado Geffesson de Moura Gomes, que trafegava pela rodovia federal BR-230, à altura do município de Santa Luzia, Sertão do estado. 

O objetivo era prender um grupo criminoso que atua em roubos de cargas e outros crimes em Sergipe e que havia se escondido na Paraíba.  Os policiais de Sergipe estavam de posse de mandados de prisão expedidos pela Justiça para serem cumpridos durante a ação.

Os policiais sergipano, no entanto, não deram qualquer chance do advogado paraibano se explicar ou se apresentar, pois, ao confundí-lo com um dos procurados, já foram atirando e atingiram a vítima com oito disparos à queima-roupa.

Eles ainda levaram a vítima, já sem vida, e a deixaram na frente do hospital de Santa Luzia. Também apresentaram uma arma de fogo à Delegacia de Patos como se fosse do advogado e alegando tê-la encontrado no carro do mesmo.

A Polícia Civil da Paraíba instaurou inquérito e investigou o caso, pedindo, a princípio, a prisão temporária dos suspeitos, e agora com a conclusão do inquérito, representou e o Ministério Público acatou, oferecendo denúncia pela prisão preventiva dos policiais sergipanos.