Terça, 21 de Maio de 2024
83 98747 9281
Política Crítica de Efraim

Efraim critica decisão de Zanin de suspender no STF desoneração da folha

Efraim critica decisão de Zanin de suspender no STF desoneração da folha

27/04/2024 07h55
Por: Gilberto Martins Fonte: tvsabugi
Efraim critica decisão de Zanin de suspender no STF desoneração da folha

O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendendo a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) e suspendeu, nesta quinta-feira (25), trechos da lei de desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia, além da alíquota previdenciária das prefeituras até 2027.

O entendimento de Zanin é que o Congresso Nacional prorrogou a desoneração sem estudar devidamente seu impacto financeiro.

A liminar foi concedida na ação direta de inconstitucionalidade em que o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), questiona a validade de dispositivos da Lei 14.784/2023. A decisão será submetida a referendo no Plenário Virtual do Supremo a partir desta sexta-feira (26).

Efraim critica decisão

O senador Efraim Filho (União Brasil), autor da proposta, criticou a decisão. Em entrevista à CBN, ele afirmou que não faltaram gestos do congressistas para atender a agenda de arrecadação do governo.

Aprovamos CAF, apostas online, fundos exclusivos, offshores, novos CMS, acabou o reforma, etc. Portanto, não faltaram compensações. Colocar o câmbio, dólares, equilíbrio fiscal na conta da desoneração é injusto e equivocado”, avaliou Efraim.

Ainda segundo o paraibano, o próprio governo fez o pedido de PEC da transição com R$180 bilhões extras de orçamento e poderia qualificar melhor o gasto público.

med patos

Ao blog de Camila Bonfim, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse que o Senado prepara umareação à decisão. Em nota, divulgada à imprensa, Pacheco escreveu que o governo federal “erra ao judicializar a política e impor suas próprias razões”.

pm são josé

Desoneração da folha

A lei da desoneração foi promulgada pelo Congresso no ano passado e permite que 17 setores intensivos em mão de obra substituam a alíquota previdenciária de 20% sobre os salários por uma alíquota de 1% a 4,5% por cento sobre a receita bruta.

Entre os setores beneficiados pela mudança estão:

  • industrial: couro, calçados, confecções, têxtil, proteína animal, máquinas e equipamentos
  • serviços: tecnologia da informação, tecnologia da informação e comunicação, call center e comunicação
  • transportes: rodoviário de cargas, rodoviário de passageiros urbano e metroferroviário
  • construção: construção civil e pesada

cemiterio

A desoneração também vale para municípios com até 156 mil habitantes. A lei chegou a ser vetada pelo presidente Lula no fim de 2023, mas os parlamentares derrubaram o veto e ela estava em vigor até a decisão de Zanin.

Fonte: Jornal da Paraíba