Terça, 07 de Dezembro de 2021 19:03
Política Candidatos

João Azevêdo diz que não serão dois candidatos ao Senado em sua chapa. “Só tem uma vaga”

João Azevêdo diz que não serão dois candidatos ao Senado em sua chapa. “Só tem uma vaga”

02/11/2021 10h38 Atualizada há 1 mês
10.567
Por: Gilberto Martins Fonte: tvsabugi
João Azevêdo diz que não serão dois candidatos ao Senado em sua chapa. “Só tem uma vaga”

“Só tem uma vaga”. A afirmação é do governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania) ao abortar, neste primeiro momento, a tese de ter dois candidatos ao Senado Federal em sua chapa nas eleições de 2022 como vem sendo ventilado nos bastidores por articuladores políticos. Os postulantes em questão seriam os deputados federais Efraim Filho (DEM) e Aguinaldo Ribeiro (PP).

O governador destacou, inclusive, que não é adepto desta tese visto que a disputa do ano que vem proporciona apenas um espaço, e não dois, como em outros momentos.
“Só tem uma vaga. Não sou adepto dessa ideia, mas na época devida vamos colocar essa situação em discussão”, disse.

O governador João Azevedo em outra entrevista concedeu na mesma emissora, Rádio e TV Arapuan, afirmou que, quem for votar em Bolsonaro, não terá espaço em sua chapa, pois o seu palanque está reservado à Lula. Temos aí, dois candidatos de partidos, por enquanto, aliados ao governo Jair Bolsonaro, PP e DEM. Possivelmente o Presidente da República deve assinar sua ficha de filiação ao PP, o que poderia afastar a senadora Daniela Ribeiro e o seu irmão Aguinaldo do partido, que é pré-candidato a senador, na tentativa de se aproximar do palanque do governador João Azevedo que é pré-candidato a reeleição.

Efraim volta a botar 'nome pra jogo' em meio às articulações pra aliança de João e Romero2022: Efraim X Agnaldo, quem terá o apoio do governador? - Por Rui Galdino - Polêmica Paraíba - Polêmica Paraíba

O Deputado Federal e coordenador da bancada Paraibano no Congresso Nacional, Efraim Filho, pré-candidato a senador nas eleições do próximo ano, recebeu o governador João Azevedo em seu gabinete em Brasília na semana passada, tratou de vários assuntos, inclusive da política, disse que está com sua pré-campanha na estrada aguardando uma decisão do próprio governador, que segundo Efraim Filho, que ele não deixe para anunciar seu candidato ao senado muito em cima da campanha, porque sua decisão já foi tomada, e um bom sertanejo, não recua sua palavra depois de assumir compromissos. 

Com uma possível terceira via disputando a presidência da República, que sem sobra de dúvidas haverá, de que será o palanque em que Lula e Bolsonaro serão recebidos na Paraíba? Mais um labirinto a ser traçado para chegar primeiro à liberdade política.

Com a possível desistência de Romero Rodrigues de se aproximar da situação estadual, ficou a incerteza de quem  poderia ser o vice ou a vice de João Azevedo, seria mesmo um nome de Campina Grande, como por exemplo: Ana Claudia Vital do Rego, Aguinaldo Ribeiro, Adriano Galdino e tantos outros nomes da Rainha da Borborema. Por que teria que ser de Campina Grande? O peso político da cidade é responsável por essa escolha, uma decisão que precisa passa por Campina Grande. 

Com o ex-prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues voltando para os braços políticos de Cássio Cinha Lima, muita coisa pode mudar nesse cenário; nomes de peso podem ser atraídos para compor com Cássio Cunha Lima uma chapa que poderá dá dor de cabeça em quem estava se achando tranquilo para as eleições do ano que vem. 

Não vai ser fácil para o governador elaborar sua chapa para disputar as reeleições no próximo ano; trabalhar para não perder legendas como o MDB, o DEM, o PP, o AVANTE e tantos outros que nem se aliam à Lula nem a Bolsonaro. 

De acordo com o governador, apesar de considerar improvável a hipótese, ele não está rejeitando discutir o assunto, porque essa discussão sequer começou.

As declarações de João Azevedo repercutiram em entrevista no programa Frente a Frente, da TV Arapuan na noite desta segunda-feira (1º), deixaram claras que não vai ser fácil montar um quebra-cabeça que possa unir o Litoral, Brejo, Agreste, Cariri e Sertão, muito menos os Partido que hoje estão aliados ao Governador da Paraíba. 

tvsabugi